Os diferentes tipos de tijolos

Cada material de construção possui algumas características específicas, como resistência, funcionalidade, durabilidade, etc. Isso faz com que seja importante conhecer cada uma dessas especificações para adquirir o produto que melhor satisfaz a sua necessidade e se encaixa no orçamento da obra.

Um item que é extremamente utilizado em uma construção e merece uma atenção muito grande na hora da compra é o tijolos. A importância desse material é muito grande, já que está ligado diretamente à estrutura do imóvel e um gasto financeiro bastante considerável.

Os tijolos comuns são produzidos em olarias e, geralmente, são compostos de areia, argila, limo, óxido de ferro, magnésia e água. Tudo isso é misturado até formar a massa que, posteriormente, será secada ao sol.

No caso, o mercado oferece algumas opções básicas de tijolos, tendo cada um sua finalidade. Confira!

Tijolo Comum

Também chamado de “tijolinho”, este material é maciço, por isso, gera um bom isolamento térmico e acústico ao imóvel. Por outro lado, ele possui um tamanho relativamente pequeno e algumas imperfeições dimensionais, fazendo com que seja necessário muitos tijolos para preencher um metro quadrado de parede. Esse custo extra aparece também na exigência de mais argamassa e mão de obra para que a estrutura seja feita corretamente.

Tijolo Baiano

O tijolo baiano é aquele famoso bloco grande com perfurações em sua extensão. Ele é o mais frágil dos modelos – quebra com facilidade durante a construção – e não consegue suportar cargas estruturais, sendo utilizado apenas como vedação nas paredes do imóvel.

Embora seja o modelo mais barato no mercado, assim como o tijolo comum, também pode apresentar diferenças no tamanho das peças, exigindo mais gastos com argamassa e mão de obra. Porém, oferece um isolamento térmico mais eficiente que o primeiro modelo.

Bloco de concreto

Feito em concreto, este “tijolo” é o mais resistente dos apresentados até aqui. Por ser produzido em formas, há um maior padrão em seu tamanho, evitando desperdício. Essas duas características tornam a instalação mais rápida e mais barata, considerando gastos com argamassa e mão de obra. Mas o isolamento térmico é menos confortável entre os três, podendo deixar o ambiente bem quente em dias de calor intenso.

Vale destacar que este material deve ser alinhado com os profissionais que trabalharão na obra para identificar em quais situações cada um deles poderá ser utilizado.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *