À procura do revestimento perfeito

Depois das etapas de fundações e estruturas, instalações elétricas e hidráulicas, esquadrias e impermeabilização, chegou finalmente o momento dos revestimentos. Nesta fase, é preciso muita atenção, estudo e planejamento para evitar gastos desnecessários. 

Se você está construindo ou reformando, atenção para as nossas dicas. Elas ajudarão não só a você escolher o melhor revestimento para o seu projeto, quanto também a evitar possíveis gastos desnecessários. 

Cada ambiente no seu quadrado

O primeiro passo para escolher o revestimento ideal é separar a residência em áreas. Isso porque cada ambiente tem necessidades diferentes, que precisam de soluções distintas. Por isso, comece planejando o revestimento das áreas íntimas, as quais ficam os quartos, passando por lavabos e cozinhas, depois salas de tv e jantar.

Para áreas úmidas como área de serviço, banheiros e cozinha, opte por revestimentos que garantam ser antiderrapante. Essa característica é importante para evitar possíveis acidentes dentro desses ambientes. A dica aqui é optar por porcelanato não polido ou até pisos cerâmicos.

Nos quartos, a prioridade é o conforto térmico. Para isso, pesquise por materiais como laminados ou vinílicos. Além de proporcionar conforto, eles também trazem elegância e modernidade ao ambiente. 

Já nas áreas comuns, também conhecidas como social, a melhor opção são revestimentos de fácil manutenção e limpeza. Por ter um tráfego maior de pessoas, sendo passagem para outros cômodos, a dica é escolher por materiais como porcelanato. 

Atenção para cada clima  

O Brasil é um país grande territorialmente. Do norte ao sul, são quilômetros de distância e é impossível comparar as temperaturas. Por isso, atente-se também em qual área sua residência está localizada.

Para áreas mais quentes, opte por pisos mais frios como porcelanatos e cerâmicos. Este último pode até ser encontrado em modelos que simulam madeira. Já para as regiões mais frias, as quais necessitam de um ambiente mais quente, vinílico e laminado são a melhor escolha. 

A cor certa para cada ambiente

Apesar de não ter muitas regras, no mundo da decoração há sim algumas dicas que valem ouro. Antes de decidir qual a cor que deseja no seu revestimento, atente-se ao tamanho dos espaços. Ambientes pequenos pedem cores claras. Bege e branco e tons da mesma base trazem sensação de amplitude. 

Já para quem deseja ter a sensação de conforto e também elegância, materiais como granito e mármore podem ser a melhor escolha. 

Qual vai ser: Bloco de concreto ou cerâmico?

Sabemos que o processo de construção de um espaço demanda muito estudo, planejamento e, sem dúvida, paciência. Além de profissionais qualificados, é indispensável saber qual é o melhor material para ser utilizado em cada etapa das obras.

Ainda na fase de estruturação, por exemplo, é necessário escolher qual bloco utilizar, o de cerâmica ou de concreto. Apesar de parecerem semelhantes, esses dois blocos têm características únicas, que precisam ser identificadas antes de serem escolhidas.

No caso do bloco de concreto, o material é um dos mais resistentes para as paredes. Por isso, ele é uma ótima opção para quem deseja uma mão de obra executada mais rapidamente, evitando possíveis desperdícios com quebras.

Além disso, o concreto necessita de uma menor quantidade de argamassa de assentamento. Dentre suas principais vantagens estão: Economia no revestimento, resistência mecânica e mais regular geometricamente. 

Já o bloco cerâmico é bem mais leve, facilitando a aplicação e logística no canteiro. Sua movimentação é menor, permitindo juntas de dilatação maiores. O material também absorve menos água, propiciando maior produtividade. 

Rapidez,  economia no custo final das obras, menor tempo de assentamento, flexibilidade de layout e isolamento térmico são algumas das vantagens. Além disso, ao longo do seu ciclo de vida, esse tipo de bloco emite 66% menos de CO2 do que os de concreto.

Ao comparar, enfim, os dois blocos, podemos observar que a decisão ficará de acordo com a necessidade de quem o procura. Por isso, se a escolha parecer difícil, atente-se a questões como região onde será utilizado, para que fim, tipologia da edificação e custo.